Share |

ALTERNATIVA DE VERDADE - MANIFESTO AUTÁRQUICO

 

MUDANÇA DE RUMO EM TAVIRA.

Macário Correia, vê o desenvolvimento como mais urbanizações e implantação de supermercados, ligado aos interesses da construção e especulação imobiliária. Estas políticas neo-liberais foram o trampolim político que permitiu a reconciliação de Macário Correia com o seu partido e a ambição de ascender a um protagonismo ainda maior na região. E o actual candidato não foi escolhido por acaso - ele é o herdeiro desta política e será o seu instrumento.

O candidato do PS, é o representante local da política de Sócrates e continuador da tradição de gestão que durante 20 anos colocou Tavira no marasmo, confundindo atraso com qualidade de vida.

O PS durante 12 anos teve 3 vereadores na Câmara Municipal e não fizeram qualquer oposição: Não apresentaram propostas próprias ou criticaram projectos apresentados pelo PSD; não denunciaram qualquer dos “temas quentes” resultantes de aprovações duvidosas; não comentaram quaisquer dos casos que opuseram a Câmara a funcionários, dando assim, implicitamente, razão ao presidente Macário. Em suma, não representaram qualquer alternativa ao modo de gestão do PSD. Durante 12 anos os vereadores do PS não se demarcaram nem distinguiram do PSD, antes estiveram com ele, até mesmo ao nível pessoal, tendo mesmo alguns beneficiado do silêncio. 

PSD e PS não constituem qualquer alternativa, mas a certeza de que tudo continuará na mesma. Será isto que a comunidade tavirense deseja realmente?

Eleger vereadores e deputados municipais do BE constituirá a garantia de uma alternativa política capaz de levar à Câmara, Assembleia Municipal e Assembleias de Freguesia a voz dos interesses dos cidadãos e das instituições tavirenses.

 

POR UMA GESTÃO PARTICIPADA E TRANSPARENTE.

O Bloco de Esquerda propõe-se estabelecer com os tavirenses um compromisso de uma nova maneira de fazer política; uma nova maneira de relação entre os eleitos e os cidadãos: Democracia Participativa.

Envolver a população na definição de prioridades colectivas e lutar por instrumentos de planeamento participado que subordinem os interesses privados e os clientelismos a políticas consistentes de ordenamento do território ao serviço de todos e correspondam aos anseios e necessidades prioritárias dos seus habitantes. 

Discussão pública das políticas da autarquia em todos os domínios — urbanismo, transportes públicos, acessibilidades, saneamento básico, saúde pública, educação, dinamização económica e emprego, inserção de imigrantes, solidariedade social, ambiente, habitação social, cultura, desporto, segurança, etc.

Adopção do “orçamento participativo”, isto é, a possibilidade de os cidadãos definir em concreta e democraticamente, a afectação dos recursos financeiros da autarquia, evitando-se o abuso de poder, o desvio de fundos e os favores a clientelas entre os maiores partidos.

 

POR UMA POLÍTICA MUNICIPAL QUE SE PREOCUPE COM AS PESSOAS E SOCIALMENTE MAIS JUSTA.

O Bloco de Esquerda defenderá uma política municipal que se preocupe com as pessoas desenvolvendo uma dinâmica social de reconhecimento dos direitos de todas e de todos, dando prioridade aos grupos mais desfavorecidos, quer se trate de crianças, jovens, adultos ou idosos, imigrantes e deficientes, em situação de risco devido a carências básicas causadas pelo desemprego.

Dará relevo ao problema da habitação para os mais necessitados, assim como criação de equipamentos sociais, como creches, infantários, lares ou centros de dia e idosos, serviço de apoio domiciliário, em todo o concelho.

Melhorará o funcionamento dos serviços da Segurança Social dependentes do Município garantindo um atendimento personalizado que acompanhe efectivamente a resolução dos problemas daqueles que necessitam.

Face à actual situação de grave crise económica e social criaremos um Gabinete de Crise, capaz de integrar esforços de diversos departamentos do estado, nomeadamente, Segurança Social e Instituto de Emprego, para responder às situações mais graves.

 

PELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO E EMPREGO.

O Bloco de Esquerda propõe-se criar condições para renovar o tecido económico do Concelho, criando condições competitivas para atrair a instalação de empresas e para apoio ao comércio e a modernização de empresas já instaladas, favorecendo a criação e desenvolvimento da actividade económica e de emprego. 

O Bloco de Esquerda procurará promover os produtos regionais valorizando-os economicamente assim como todo o sector que contribua para a promoção dos factores de identidade local, quer se trate do património arquitectónico ou paisagístico, do artesanato ou da gastronomia.