Share |

COMUNICADO-RESPOSTA A MACÁRIO CORREIA

 

COMUNICADO À IMPRENSA

 

Na sequência do comunicado da Câmara Municipal de Tavira de Macário Correia a propósito da afirmação de Daniel Graça, candidato pelo Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Tavira, em entrevista ao jornal «Região Sul», o Secretariado do núcleo de Tavira do Bloco de Esquerda considerou oportuno esclarecer os seguintes aspectos:

1. Sendo certo que a TAVIRA VERDE é uma empresa, na qual a CMT é o principal accionista, é absolutamente inquestionável que interessa ao Presidente da Câmara obter o maior rendimento possível desta empresa.

2. Embora sem números exactos, há cerca de 40% de água não facturada, correspondendo a perdas, mas também a água não paga para fins diversos. Esta água é paga pelos consumidores, pelo que o preço da factura da água é necessariamente elevado. Esta política é do interesse da Câmara Municipal, pelo que se poderá dizer que é do interesse do Presidente da Câmara.

3. A reacção de Macário Correia, traduzido na ameaça de participação criminal na pessoa de Daniel Graça, coerente com o seu perfil de liderança marcadamente autocrático, parece pretender um desvio da atenção pública das suas políticas, colocando-se como vítima de factos que lhe são imputados e juízos que são formulados num quadro estritamente político.

4. O Bloco de Esquerda rejeita em absoluto qualquer ataque de natureza pessoal no quadro da acção política, pelo que convém lembrar que a entrevista dada por Daniel Graça se situa num contexto de campanha eleitoral, com o devido enquadramento no programa do BE onde claramente se propõe uma política diferente para a gestão da Água.

5. Relativamente à água, o BE «rejeita a sua privatização» porquanto esta concede «às empresas concessionárias um desmedido poder de mercado, podendo fixar os preços sem capacidade de influência contrária do consumidor», privilegiando o pagamento de dividendos aos accionistas em detrimento do investimento de manutenção e qualificação dos circuitos de distribuição.

6. No entender do Bloco de Esquerda, esta polémica encontra a sua explicação real no nervosismo criado pelas propostas do Bloco de Esquerda de propor a isenção de pagamento da água para o 1º escalão (5m3) para os residentes no Concelho e uma redução das taxas associadas ao preço final da factura da água. Também por esta razão o Bloco de Esquerda faz falta em Tavira.

Secretariado do Núcleo de Tavira

BLOCO de ESQUERDA